Evolução a jato em lago de hidrelétrica



Desde que Charles Darwin retornou à Inglaterra, depois da viagem do Beagle, e se pôs a matutar sobre as 13 diferentes espécies de tentilhão encontradas nas  Ilhas Galápagos, que o isolamento de diferentes populações de uma mesma espécie animal em ilhas, ou em ilhas e no continente, é apontado como um fator que impulsiona a evolução. Não haveria por que imaginar que em ilhas formadas pela ação humana a coisa fosse ser diferente. Trabalho publicado nesta semana no periódico PNAS aponta que, em menos de 20 anos desde a formação do lago da Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa, em Goiás, os lagartos da espécie Gymnodactylus amarali que ficaram "naufragados" em ilhas já divergem consideravelmente dos colegas deixados nas margens.

De autoria de pesquisadores brasileiros e americanos -- e liderado por Mariana Eloy de Amorim, da UnB e da Universidade da Califórnia -- o estudo constatou que as populações que ficaram isoladas nas ilhas agora têm cabeças maiores que os primos que permaneceram em terra firme, e comem larvas mais gordas. As cabeças grandes permitem consumir essas larvas avantajadas sem o gasto excessivo de energia que estaria envolvido num crescimento geral do corpo. O artigo especula que a extinção, nas ilhas, de espécies de lagartos que preferiam presas de maior porte acabou gerando essa oportunidade para os Gymnodactylus amarali ilhéus.

"As populações das ilhas tinham cabeças maiores em relação ao comprimento do corpo que as populações de terra firme", diz o artigo. "As cabeças maiores são mais adequadas às presas maiores, e cabeças desproporcionalmente grandes permitem essa vantagem funcional sem um aumento na demanda de energia resultante de um tamanho maior do corpo todo".

Os autores sugerem que a evolução em direção a cabeças maiores ocorreu de modo paralelo nas cinco ilhas estudadas. "Fêmeas e machos demonstraram a mesma tendência demonstraram a mesma tendência para cabeças relativamente maiores nas ilhas, portanto é improvável que a diferença entre as áreas de ilha e terra firme seja causada por uma maior competição entre os machos nas ilhas".
ASSINE O BLOG - VIABILIZE A NEWSLETTER

Produzir conteúdo de qualidade requer tempo e dinheiro. Gostou da reportagem? Gostaria de ler mais conteúdo desse tipo aqui no blog, sem se preocupar com  paywalls, e encontrar análises como as que eu produzia para o Olhar Cético da Galileu? Gostaria de receber uma newsletter semanal sobre a ciência no mundo, nos moldes da antiga coluna Telescópio, que eu fazia para o Jornal da Unicamp? Então, veja o sistema de assinaturas que estou implantando. Ele se divide em quatro categorias:
  • Assinatura simples: você mostra sua apreciação pelo trabalho e ajuda o blog a se manter 
  • Newsletter:  você passa a receber, por e-mail, uma coluna semanal nos moldes da "Telescópio"
  • Anual+Livro: é um pagamento único por um ano, que dá direito à newsletter. E eu lhe mando um livro de minha autoria em agradecimento
  •  Anual+Livros: é um pagamento único por ano, bem mais generoso. E lhe mando dois livros -- um de minha autoria, e um surpresa -- em agradecimento
As opções estão no botãozinho PayPal aí embaixo. 



Opções de assinatura

Comentários

  1. Agora os biólogos deveriam pegar espécimes dos continentes e coletar seu DNA, depois colocar esses espécimes nas ilhas...
    Se nos próximos anos os indivíduos de "cabeças grandes" possuírem descendência mista, isso corroborá a teoria da seleção natural. Mas caso contrário precisaremos repensar essa hipótese.
    Digo isso pq já tem sido observado mutações aparentemente independentes dos hipotéticos processos da seleção natural.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Baleia ou barriga?

O financiamento público da pseudociência

Design Inteligente é propaganda, não ciência