Postagens

Arte vulcânica marciana

Imagem
Esta foto aí é a ampliação de uma seção de um milímetro de largura de um meteorito marciano, vista por um microscópio de luz polarizada. As diferentes cores representam diferentes minerais. Ela faz parte de um estudo publicado emNature Communications sobre a taxa de crescimento dos vulcões marcianos, que pelo que estimam os autores é muito mais lenta que a verificada na Terra.

O estudo foi feito com base numa família de meteoritos que se originou, toda ela, de um único evento -- a colisão de um asteroide com a encosta de um vulcão marciano há 10 milhões de anos (mais ou menos), lançando lascas ao espaço. Algumas delas caíram na Terra, em lugares tão diversos quanto Egito, Antártida e Brasil (o Meteorito Governador Valadares).

Mas essa conversa de meteorito e vulcões marcianos é só desculpa minha para publicar a foto, mesmo. Eu podia tentar sacar da algibeira algumas platitudes (como "sacar da algibeira") sobre a interação entre acaso, catástrofe, natureza, ciência e arte --…

Por uma indignação mais seletiva

Imagem
No universo das redes sociais, "indignação seletiva" virou sinônimo de hipocrisia, mas eu gostaria de sugerir que, tomada ao pé da letra, esta expressão define algo de que precisamos com urgência: um senso de indignação que selecione melhor seus alvos. A histeria coletiva em torno do "caso" MAM é apenas um exemplo, mas dá para citar vários outros.

Quem já habitava este Vale de Lágrimas nas últimas décadas do século passado talvez se lembre de dois importantes slogans da era pós-ditadura, quando forças então de esquerda e então racionais e éticas (a saber, o velho PT e o núcleo peemedebista que viria a criar o velho PSDB) disputavam o poder com os herdeiros corruptos e retrógrados do entulho autoritário, como o PFL (que virou DEM) e o partido do Maluf (que mudou tanto de nome que não sei mais como se chama). Esses slogans eram: "Não podemos nos dispersar" e "Temos de nos indignar".

A primeira dessas exortações pode soar, dependendo das inclinaçõ…

Zika Vírus mutante, origem dos planetas, ondas gravitacionais, percevejos

Imagem
Esses são alguns dos temas da newsletter desta semana, já enviada aos assinantes. Para assinar, é preciso escolher a segunda opção no menu abaixo (a terceira e a quarta também estão valendo, claro...)


Opções de assinaturaSimples : R$15,00 BRL - mensalmenteNewsletter : R$50,00 BRL - mensalmenteAnual+Livro : R$500,00 BRL - anualmenteAnual+Livros : R$1.000,00 BRL - anualmente

Satanistas e pastafarianos, uni-vos!

Imagem
Já escrevi tanto sobre laicismoe ateísmo militante (por exemplo, nesta postagem do blog, nesta outra e neste artigo para a Folha de S. Paulo [atrás de um payall, sorry]), que a preguiça quase me impede de volar ao assunto. Mas, fazer o quê, né? Repetindo o que escrevi há mais de seis (seis!) anos:

Sei que muita gente torce o nariz para esse ateísmo, digamos, "in your face", exibicionista, loquaz -- estridente, diriam alguns. Amigos cuja opinião respeito queixam-se de que esse "novo ateísmo", ou "ateísmo afirmativo", acaba sendo tão chato, inoportuno, pentelho, etc., quanto o proselitismo religioso. Será que as pessoas não seriam mais felizes se, simplesmente, parássemos de encher o saco uns dos outros com metafísica?

Por mais que eu possa simpatizar com a opinião expressa no parágrafo acima, ela deixa de levar em conta dois fatores -- talvez os fatores -- fundamentais: primeiro, a religião é estruturalmente incapaz de respeitar uma trégua do tipo; el…

Sarek e Teoria dos Jogos

Imagem
Gostei dos dois primeiros episódios de Star Trek Discovery. Não que sejam perfeitos (spoilers começam aqui) -- por exemplo, o fato de a nave  Shenzhou não ter uma sonda não-tripulada disponível ainda me soa estranho -- mas, no geral, os episódios são boa ficção científica, dentro dos padrões de um espetáculo de massa, e boa Star Trek.

A ver se o nível se mantém ou melhora nos próximos episódios, claro.

Sei que muita gente vai discordar da última afirmação do primeiro parágrafo, então aqui vou eu defendê-la contra a ideia de que a série é Trek "apenas em forma, não em espírito". Evidências pró: temos  a missão que abre o primeiro episódio, salvar uma espécie alienígena de uma seca; o maravilhamento da protagonista com o fenômeno cósmico que estuda em seguida, seu sobrevoo quase reverente da misteriosa estrutura klingon, que por alguns instantes faz lembrar Arthur C. Clarke; temos linhas e mais linhas de diálogo ("A Frota Estelar nunca atira primeiro", "Somos e…

"Cura Gay" é o "Design Inteligente" da saúde mental

Imagem
"Design Inteligente" (DI) é um movimento de marketing político-religioso, disfarçado de ciência, que tenta contrabandear o criacionismo -- a ideia de que a vida na Terra é, demonstravelmente, o produto da ação deliberada de um ser mitológico adorado por tribos semitas da Era do Bronze -- para as salas de aula. Intelectualmente, trata-se de uma realização da falácia de petitio principii, ou presumir a conclusão: já que a Bíblia está certa, a ciência tem de demonstrar isso, e a evolução não pode ser verdade.

Sua expansão no Brasil coincidiu com a conquista de força política e penetração popular por denominações cristãs de forte inspiração norte-americana. Os Estados Unidos são o berço do design inteligente, que é promovido, principalmente, pelo think-tank cristão Discovery Institute.

A chamada "Terapia de Reorientação Sexual", ou "cura gay", não é lá muito diferente disso. Ela também tem seu think-tank gringo, sua aceitação também depende muito mais de con…

100 anos do "Último Adeus"

Imagem
Vamos fechar a semana tratando de coisas agradáveis? Hoje faz cem anos que o conto O Último Adeus de Sherlock Holmes (His Last Bow) foi publicado na revista americanaCollier's. Esta história não foi, de fato, o "último adeus" do personagem -- Conan Doyle continuaria publicando novas histórias de Holmes por mais dez anos -- mas ela traz uma série de peculiaridades: é o único conto concebido e escrito em terceira pessoa (o texto de A Pedra Mazarino, que também usa esse tipo de narração, havia sido planejado como peça de teatro), é o mais adiantado na cronologia do personagem (passa-se em 1914) e, claro, trata da atuação de Sherlock Holmes na contraespionagem inglesa às vésperas da I Guerra Mundial.

Segundo Owen Dudley Edwards, editor da coleção de Sherlock Holmes publicada pela Universidade Oxford, o conto parece ter sido inspirado por uma visita de Arthur Conan Doyle ao front francês em 1916, quando o general George-Louis Humbert perguntou ao escritor se Sherlock Holmes …